Aprenda PL/SQL

Tag Archive: Funções

Neste post, vamos mostrar como utilizar funções analíticas para fazer o rateio de um valor em diversas linhas de uma tabela.

Primeiro, vamos criar a tabela de teste:

CREATE TABLE glufke_teste
(nro_nota  NUMBER, item NUMBER, valor NUMBER);
INSERT INTO glufke_teste VALUES ( 50, 1, 1.45);
INSERT INTO glufke_teste VALUES ( 50, 2, 3.91);
INSERT INTO glufke_teste VALUES ( 50, 3, 5.04);
SQL> SELECT * FROM glufke_teste;

  NRO_NOTA       ITEM      VALOR
---------- ---------- ----------
        50          1       1,45
        50          2       3,91
        50          3       5,04

SQL>

Nosso objetivo é ratear um valor proporcionalmente nessas linhas. Como exemplo prático, vamos distribuir o valor R$ 49,30!
Leia mais…




Eu considero Edition-Based Redefinition a nova característica mais matadora do Oracle Database 11g Release 2. Em suma, é a capacidade de executar uma atualização de aplicações online. É também um recurso gigante, tão grande que vai demorar pelo menos três colunas para descrevê-lo. Vou começar em Como usar Edition-Based Redefinition afim de aplicar “patches” em sistemas.

Ao longo dos anos, o banco Oracle permite realizrmos muitas operações online, como:

  • Modificar a maioria dos parâmetros (Apenas 90 dos 350 não são modificáveis online.)
  • Reorganização de objetos (transformar uma tabela não particionada em uma particionada, recuperando um espaço livre, e assim por diante)
  • Criar índices
  • Aplicação de patches no Banco de dados com o Oracle Real Application Clusters
  • Atualizar o banco de dados Oracle de release em release

O resultado é que quase todas mudanças em nível de banco de dados pode ser feito enquanto o banco está funcionando e realizando transações – com algumas raras excepções gritantes, como re-criar uma procedure, alterar triggers, adicionar grants, revoke de grant, e modificar views. Em suma, os objetos que constituem esse tipo de modificação não podiam ser modificadas, enquanto os usuários estavam utilizando. Se uma procedure estava sendo executada e um DBA tentou atualizar ela (CREATE OR REPLACE o código com o novo código mexido, afim de corrigir um bug), o DBA iria ficar esperando (BLOCKED) por essa pessoa até terminar sua execução.

Além disso, qualquer pessoa que tentou posteriormente executar uma procedure que o DBA está tentando substituir também ficaria bloqueado pelo DBA. E na maioria dos casos, o DBA não modifica apenas uma única procedure, mas muitas,  e o CREATE OR REPLACE do novo código da procedure tenderia a invalidar outros objetos dependentes também. O banco de dados parece “congelar”, o DBA não pode realizar as tarefas de patch (substituir alguns procedimentos, pacotes, views, triggers, e assim por diante), e os usuários finais não podem realizar as suas tarefas. Eles acabaram bloqueando e travando-se mutuamente.

Isto tudo termina tudo com o Oracle Database 11g Release 2 e o Edition-Based Redefinition, que permite aos DBAs e usuários finais acessar mais de uma ocorrência de uma stored procedure, trigger, view, e outros objetos e, portanto, isolar as mudanças em um esquema. Começando com o Oracle Database 11g Release 2, um único esquema pode agora ter duas ou mais ocorrências (vamos pensar em “versões”) de um stored procedure (função, trigger, e assim por diante) ou uma view ou de sinônimos e todos seus metadados relacionados, tais como GRANTS a esses objetos. (Estas duas ocorrências são independentes, eles coexistem, mas não interferem umas com as outras.) A “mágica” que permite isso é o novo objeto de edição (EDITION),  que introduz um novo namespace transparente que permite mais de uma ocorrência ao mesmo tempo de uma stored procedure, trigger e assim por diante.
Leia mais…




MS Excel usa um formato de data chamado “Serial Date format” ao armazenar e lidar com datas e horas. A “Data serial” é calculada pegando o número de dias entre uma data qualquer e o dia 01/01/1900.

Por que isso é importante para um desenvoledor Oracle ? Se você está criando um documento em PL/SQL que será aberto no Excel, a data ficará incorreta a não ser que você converta antes para o padrão do Excel.

Felizmente, a formula de conversão de datas é muito simples. A seguinte função fará a conversão de uma data no Oracle para o padrão do Excel:

CREATE OR REPLACE FUNCTION convertOracleToSerialDate(p_date DATE) RETURN NUMBER
IS
BEGIN
RETURN (p_date – TO_DATE(’01-JAN-1900?))+2;
END;
/


Leia mais…




CASE WHEN versus DECODE

07/09/2007 | Tags:, | Categories: SQL

As vezes o CASE WHEN quebra o galho quando temos que usar condições mais complexas… Mas o que fazer quando não é possí­vel usá-lo? (como nas versões anteriores ao 8i, e no PL*SQL anterior ao 9i). É muito simples!
Leia mais…




Este caso é no mí­nimo curioso! É bem comum usarmos “IN” quando queremos que o banco considere várias opções para um determinado campo. Neste exemplo, vamos demonstrar que o ORACLE concatena espaços em branco em comparações com IN. Vamos aos exemplos:
Leia mais…